Dr. Helio Sampaio Filho
   Cirugião Dentista
   CRO/SP 15252

   Cirugião Dentista
   Periodontista

   Homeopatia
   Acupuntura


   R. Joaquim Antunes, 727 - cj. 76
   Pinheiros - São Paulo / SP

   Fone.: (11)3816-2909
               (11)7246-6847


Guia Rápido :

Nos Últimos vinte anos tem havido um crescimento significativo das chamadas Terapias Complementares, hoje denominadas Praticas Integrativas e Complementares à Saúde Bucal, e destas, a Homeopatia ocupa um lugar de destaque. A Odontologia, embora ainda não contemplada com o reconhecimento da Homeopatia como especialidade, acompanha esta tendência. Vemos assim um número cada vez maior de profissionais buscando informações sobre esta modalidade terapêutica e de pacientes que procuram o Cirurgiã o Dentista com conhecimentos na área, por já se tratarem com um médico homeopata e por isso, gostariam de, quando necessário, serem medicados nesta linha. Este interesse e confiança no tratamento homeopático se devem também, ao fato da comprovada eficácia da Homeopatia em Odontologia nas diversas afecções na cavidade oral, além da sua importância do ponto de vista social, devido ao seu baixo custo. Assim, selecionamos algumas perguntas que normalmente nos são feitas e que acreditamos serão úteis, aqueles que queiram aprofundar seus conhecimentos na área.
1. O que é Homeopatia?
A Homeopatia é uma terapêutica que se desenvolveu através da história, desde Hipocrates até Hahnemann, médico alemão que a propôs, no final do século XVIII. É um sistema científico-filosófico bem determinado, com metodologia de pesquisa própria, apoiada na experimentação clínica de medicamentos homeopáticos. Tal processo de experimentação é realizado em indivíduos sadios, para depois, através do Princípio da Semelhança, utilizá-los em indivíduos adoecidos. Em outras palavras: existem na Natureza substancias no reino Vegetal, Animal e Mineral, que podem provocar no indivíduo sadio sinais e sintomas bastante característicos. Estas substâncias quando preparadas pela farmacotécnica Homeopática, através de diluições e agitações podem curar sinais e sintomas apresentados no sujeito adoecido.
2.Qual o princípio de atuação do medicamento homeopático?
Inúmeras pesquisas têm sido desenvolvidas para explicar a ação do medicamento homeopático, tais como, a teoria da formação de clusters ou envelopes poliméricos de moléculas de água, com especificidade topológica e estabilidade temporal, atuando nos mesmos receptores do organismo, sensíveis à substância matriz ou a possibilidade de transmissão de uma assinatura eletromagnética específica de determinada substância para a água ou outro meio, ao qual o ser vivo é sensível ou ainda, explicações baseadas na física quântica.
3.Qual a diferença entre Homeopatia e Fitoterapia?
A Fitoterapia utiliza exclusivamente princípios ativos de plantas medicinais em dose ponderal. A Homeopatia, além dos princípios ativos de origem vegetal, utiliza outros de origem mineral e animal, sendo todos submetidos a uma técnica de preparo própria como já explicado acima. Assim, os bochechos com folhas de malva ou a aplicação tópica de própolis, não são práticas da Homeopatia.
4.Podemos aplicar Homeopatia na Odontologia?
Existem inúmeras situações em que o medicamento homeopático pode ser prescrito, auxiliando nas diversas especialidades odontológicas. Em Estomatologia, por exemplo, no controle e diminuição das afecções de aftas recorrentes, em Periodontia, colaborando com os procedimentos no tratamento da doença periodontal,, no pré e pós-operatório de procedimentos cirúrgicos, além de possibilitar o controle da ansiedade e medo ao tratamento odontológico. A Homeopatia objetiva a promoção de saúde do indivíduo no que se refere à prevenção de doenças e a percepção que o indivíduo possui de si mesmo e do meio em que está inserido, pois, ao passar pela anamnese homeopática, percebe a importância de se observar, de se conhecer, para que possa transmitir isso ao profissional, que busca compreendê-lo, para eleger o medicamento homeopático que irá resgatar seu equilíbrio, dentro do conceito saúde-doença.
5.A Homeopatia é lenta? Seu efeito demora?
Existe uma certa confusão neste aspecto. Nas doenças agudas, a ação do remédio será rápida, muitas vezes surpreendentemente rápida. Nas doenças crônicas, nenhum tratamento é rápido e o mesmo acontece na Homeopatia . O paciente crônico chega com uma série de alterações devido a intervenções anteriores além de obstáculos à cura que existem, por exemplo, nas doenças iatrogênicas. O tratamento, entendido como um reequilíbrio geral do paciente, pode às vezes ser mais demorado, pois respeita os processos naturais, mas plenamente justificável pela proposta de cura definitiva do caso, sem manifestações tóxicas ou efeitos indesejáveis.

Homeopatia: abordagem integral do paciente
Prática científico-filosófica ganha força entre os dentistas, com benefícios reais para os pacientes. Assunto é tema de curso do Ciosp – Congresso Internacional de Odontologia de São Paulo, que acontece de 24 a 28 de janeiro, no Anhembi.

Você entra no consultório, apresenta a carteirinha do plano de saúde à recepcionista, senta-se e espera ser atendido. O “doutor” abre a porta, lhe chama cordialmente pelo nome e aperta a sua mão. As primeiras perguntas referem-se aos seus hábitos alimentares, doenças na infância, na vida adulta, hereditariedade. Até que o “doutor” pergunta se a sua vida, do ponto de vista emocional, está bem, se o trabalho está lhe trazendo algum tipo de angústia, enfim, como você está se sentindo e o que levou a procurá-lo. Não, você não está num consultório médico. Tampouco é sua primeira sessão de terapia com um psicólogo. A pessoa a sua frente é um dentista homeopata. Isso mesmo: um dentista homeopata.

Independente da área de atuação, a Homeopatia se distingue dos tratamentos convencionais por adotar uma abordagem especial na relação especialista-paciente. “Isso vale também na Odontologia. Na essência, buscamos saber primeiro quem vamos atender, conhecer seus hábitos, comportamentos diante de determinadas situações, suas angústias e medos. É uma relação mais humanista, menos tecnicista, e que vê o paciente como um todo”, explica o dentista homeopata Hélio Sampaio Filho, que há mais de 15 anos trata seus pacientes por meio da Homeopatia. “Ao final, nosso objetivo é a cura total do paciente”.

Além de possibilitar o controle da ansiedade e medo ao tratamento odontológico, a Homeopatia objetiva a promoção de saúde do indivíduo no que se refere à prevenção de doenças e a percepÇão que o indivíduo possui de si mesmo e do meio em que está inserido. “Ao passar pela anamnese homeopática, o paciente percebe a importância de se observar, de se conhecer, para que possa transmitir isso ao profissional, que busca compreendê-lo, para eleger o medicamento homeopático que irá resgatar seu equilíbrio, dentro do conceito saúde-doença”.

Diferenças à parte, não espere encontrar no consultório de um dentista homeopata algo fora do convencional, principalmente no que diz respeito à estrutura física e equipamentos. A cadeira é a mesma, os instrumentos de trabalho também, o barulho do “motorzinho” certamente será ouvido e a anestesia é idêntica. Mas o que muda, então? Além da abordagem, os medicamentos prescritos no tratamento, é claro. Praticamente 100% da prescrição homeopática provem de substâncias encontradas na natureza, seja no reino vegetal, animal ou mineral, transformados em medicamentos homeopáticos através de farmacotécnica apropriada. Mesmo o creme dental indicado pelos homeopatas pode ser a base, por exemplo de calêndula , embora seja um produto fitoterápico e não homeopático.

Segundo Sampaio, existem inúmeras situações em que o medicamento homeopático pode ser prescrito e os resultados têm sido extremamente positivos. “O inchaço e a dor provocados após uma extração do siso, por exemplo, são consideravelmente menores quando tratados com Homeopatia”, destaca o dentista. Doenças que possuem uma ligação direta ou indireta ao estado emocional do paciente, como bruxismo, herpes e aftas, também encontram na Homeopatia um grande aliado. “Em muitos casos o herpes, embora tenha origem viral, se manifesta após um estado de estresse, de baixa resistência imunológica, fazendo com que a doença reincida várias vezes. Se o paciente não for tratado no sentido de buscar o seu equilíbrio físico e emocional , certamente haverá uma reincidência da doença. E é isso que o tratamento homeopático busca”

Outro diferencial importante é, sem dúvida, a confianÇa no tratamento homeopático. “Isso deve-se ao fato da comprovada eficácia da Homeopatia na Odontologia no tratamento de diversas afecções na cavidade oral, além da sua importância do ponto de vista social, devido ao seu baixo custo”.

A Homeopatia na Odontologia

Embora ainda não seja considerada uma especialidade da Odontologia, a Homeopatia ganha cada vez mais adeptos entre os profissionais da área. Segundo dados da ABCDH (Associação Brasileira de Cirurgiões Dentistas Homeopatas), hoje, cerca de mil dentistas no Brasil atendem seus pacientes adotando práticas homeopáticas. Em 1º de outubro, o Conselho Federal de Odontologia (CFO) publicou Resolução específica na área – a 82/2008 –, criando a habilitação em homeopatia para cirurgiões dentistas, estabelecida como “Práticas Integrativas e Complementares na Odontologia”. A regulamentaÇão abrange ainda a Fitoterapia, Acupuntura, Hipnose, Terapia com Florais e Laser.

Em tempos em que as pessoas buscam métodos alternativos em todas as áreas – saúde, alimentação, atividades físicas – é de se estranhar porque a Homeopatia demorou a chegar à Odontologia. “No começo, a especialização nessa área era oferecida somente em cursos de Medicina. Mas, da mesma maneira como aconteceu entre os médicos, o dentista homeopata também sofreu preconceitos da própria classe”, conta Hélio Sampaio Filho, também presidente da ABCDH. A explicação básica para isso poderia estar é na suposta falta de base científica que comprove os efeitos terapêuticos da homeopatia, apesar de inúmeros trabalhos apresentados e publicados em revistas especializadas e congressos.

Por um tempo, as portas ficaram fechadas para os dentistas que desejavam especializar-se em Homeopatia. A partir da década de 1990, no entanto, o número de dentistas que procuram especialização na área ter crescido consideravelmente.

A Homeopatia também é tema de curso da 27ª edição do Ciosp – Congresso Internacional de Odontologia de São Paulo, que acontece de 24 a 28 de janeiro, no Anhembi. Na ocasião, o dentista homeopata Helio Sampaio Filho vai ministrar o curso “Práticas complementares em Odontologia”. Promovido pela Associação Paulista de Cirurgiões Dentistas (APCD). O “Congressão”, como é chamado pelos profissionais, engloba uma série de atividades para os profissionais do setor, como cursos, workshops, simpósio, fóruns clínicos e científicos, painéis e mesas demonstrativas.

Recentemente o Conselho Federal de Odontologia e os Conselhos Regionais, através de Fóruns e inúmeras discussões que antecederam a estes, estabeleceram normas que habilitam o Cirurgião Dentista a exercitar diversas Práticas Integrativas e Complementares à Saúde Bucal. Dentre estas, a Acupuntura se destaca por ter uma boa aceitação pela população em geral e pela sua comprovada eficácia em diversas patologias relacionadas à boca. Surgem entretanto diversas dúvidas em relação à sua aplicação na Odontologia, por exemplo:

- Que tipo de aplicação teria o uso das agulhas de Acupuntura por um Dentista?
A Acupuntura, (que faz parte de um complexo chamado Medicina Tradicional Chinesa - MTC) trabalha, entre outros, com um conceito do equilíbrio de uma energia que circula pele organismo denominada Qi ou Ki. Esta energia circula por todo o corpo através de vias próprias ou meridianos.
Nestes meridianos existem pontos aonde são inseridas as agulhas com o objetivo de regular e equilibrar os excessos ou deficiências nos órgãos.
Assim, quando temos como exemplo, alguém que é portador de uma inflamação na gengiva (gengivite), e que mesmo com o tratamento convencional por um profissional especialista não obtém o resultado esperado, a Acupuntura complementa este tratamento, auxiliando a resolução do problema através do equilíbrio conseguido com as agulhas.

- Aonde são colocadas as agulhas neste caso?
As agulhas de acupuntura podem ser colocadas no trajeto do chamado meridiano do Estomago que se inicia na face e corre por todo o corpo até os dedos do pé.
Assim, não há a necessidade de se agulhar a gengiva, nem a boca e sim o trajeto do citado meridiano.
Além disto, conseguem-se excelentes resultados no controle da ansiedade e medo que normalmente ocorre em quem procura um dentista.

- Existe dor na colocação da agulha nos pontos do meridiano?
Não, a inserção das agulhas é indolor, dando uma sensação de torpor e relaxamento imediatos, trazendo inúmeros benefícios para o paciente.

- A Acupuntura em Odontologia é eficiente nos casos de dor crônica como, por exemplo, as Dores da Articulação Têmporo Mandibular?
Com certeza esta é uma excelente indicação para a Acupuntura em Odontologia.
Dores na região da face, principalmente na região da ATM, são tratadas de modo muito eficaz por esta técnica, com as agulhas colocadas em pontos da face e em outros pontos de um dos 12 meridianos existentes no corpo.

- É possível se conseguir uma anestesia com as agulhas de Acupuntura?
Sim, porém o que se consegue na verdade é uma analgesia utilizando-se para tanto aparelhos eletrônicos associados, que ajudam a estimular os pontos necessários e se fazer procedimentos menores sem o uso de substancias químicas.

A Medicina Tradicional Chinesa, como é conhecida mundialmente, engloba uma série de procedimentos terapêuticos que incluem: Acupuntura e Moxabustão, Dietoterapia ou dietética, Práticas de exercícios físicos, Massagens e Fitoterapia.

No Ocidente, normalmente dissocia-se estas práticas enfatizando-se mais a Acupuntura, por sua maior divulgação e aceitação.

O conceito de saúde para a MTC é amplo e engloba a idéia de uma força vital denominada QI ou CHI que rege as funções de todo organismo. O desequilíbrio desta energia gera a doença e a importância da integração do Homem com a Natureza é parte intrínseca do processo de saúde.

Diversas correntes e tendências filosóficas vindas principalmente do Oriente agregaram-se a esta racionalidade terapêutica mesclando conceitos tais como os do Yin e Yang , dos Cinco elementos ou cinco movimentos, dos órgão e vísceras (Zang – Fu), dos Meridianos e pontos de Acupuntura que são utilizados exatamente para se obter, após um diagnóstico de determinada afecção, o equilíbrio necessário para a cura ou equilíbrio do doente.

Temos assim 12 meridianos principais que são utilizados no diagnostico e tratamento pela MTC: Coração, Figado, Pulmões, Baço-pancreas, Rins, Pericárdio, Intestino delgado, Vesicula biliar,Intestino grosso, Estomago, Bexiga e Triplo aquecedor e não existe consenso sobre o número exato de pontos distribuídos nestes meridianos e outros extraordinários.
Fala-se algo em torno de 600 a 1500 pontos.

A boca é considerada como parte do meridiano do Estomago e os dentes - que são considerados uma extensão dos ossos - regidos pelo meridiano do Rim. Estes são por conseqüência os principais meridianos utilizados em Odontologia, porém outros pontos de outros meridianos são igualmente empregados, como os pontos do Intestino Grosso e do Baço-pancreas, além de pontos extras da face principalmente.

A Acupuntura realizada pelo Cirurgião Dentista aplica as agulhas ou eletrodos (no caso da eletroacupuntura) ou mesmo o aparelho de Laser sobre estes pontos estimulando ou sedando os mesmos para os casos de controle da ansiedade, prevenção de cáries, em periodontia, dores da ATM ou ainda com finalidade sedativa ou para anestesia.

Helio Sampaio Filho
Copyright © 2012 - Todos os direitos estão reservados